Pesquisar este blog

sábado, 17 de julho de 2010

Pequeno Tratado das Grandes Virtudes


Olá meus amigos leitores! Perdão àqueles que acessaram o blog em busca de algo novo, mas não encontraram. Estava até a pouco em fase de organização e de adaptação à minha nova “casa”. O que importa é que agora está tudo certo, e posso voltar a escrever com frequência.
Na verdade, este post será o primeiro de uma série de...muitos. Dezoito, talvez.
O livro em questão, do francês André Comte-Sponville, será a temática daqui para frente, por algum tempinho. Explico: o Pequeno Tratado das Grandes Virtudes divide-se em dezoito capítulos, partindo da polidez (que, segundo André, ainda não é uma virtude) e terminando no amor (este, que já não é mais virtude). Cada capítulo trata de uma das virtudes que ele considera essenciais, e que nos faltam.
Quando me recomendaram este livro, não hesitei em comprá-lo. Ora, o que melhor para nós, exploradores em busca da verdade, e defensores da evolução humana, do que um livro acerca das virtudes? Virtuosidade, no sentido de assim sermos, é o melhor exemplo para sua difusão. É importante ferramenta na construção de um mundo melhor, justo e humano.
Hoje, não escreverei sobre nenhuma delas. Cabe a este texto apenas a introdução do que virá daqui pra frente. Até porque, ao idealizar este espaço, optei por não escrever textos demasiado longos, de leitura “cansativa”. Então, hoje apenas enumero sobre o que tratarão os próximos. O desenrolar deixo a cargo dos leitores. Se acharem que devo, em meio aos 18 textos, escrever algo diferente, avisem. Livros para comentar não faltam.
Para que saibam, os capítulos do livro são expostos numa dada sequência: polidez, fidelidade, prudência, temperança, coragem, justiça, generosidade, compaixão, misericórdia, gratidão, humildade, simplicidade, tolerância, pureza, doçura, boa-fé, humor e amor.
Não terminei de ler a obra, dada a densidade característica dos textos filosóficos. Muitas vezes necessitam que se leiam duas ou três vezes uma sentença, para a boa compreensão. Contudo, o esforço tem validade.
Por hora, creio que seja isso. Assim que possível, teremos um novo texto, tratando do valor que, talvez, seja a origem de todas as outras virtudes – a polidez.
Um abraço, e boa leitura!
---
O livro: Pequeno Tratado das Grandes Virtudes. André Comte-Sponville. Martins Fontes, 2009.

2 comentários:

  1. Oi meu querido, muita sorte na nova 'casa'!
    Muito interessante a escolha do livro, esperarei os seus comentários e, se der coragem, lerei.
    Uma dica: usa uma cor mais escura no texto pra facilitar a nossa leitura!
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. What a deep topic to talk about!!Human virtues! Some of us may reach some of them, or even all of them but I quite doubt someone will keep them alive for the whole life! That would be a perfection just holy beings have had. For sure you have awaken my curiosity to read this book!
    I'll be waiting for your comments!

    ResponderExcluir